segunda-feira, 7 de abril de 2014

Ducati 1199 Panigale R uma superbike de rua.


A Ducati lançou a 1199 Panigale R, versão mais apimentada de sua família de superesportivas.  Desenvolvida com o conhecimento adquirido pela marca no Campeonato Mundial de Superbike (WSBK), a moto é voltada para os que procuram desempenho profissional em uma moto de rua. Os engenheiros do time italiano utilizaram o “feed-back” de seus melhores pilotos, e também de seus clientes, para criar um produto diferenciado, com o claro objetivo de oferecer o máximo de desempenho em circuitos fechados. Neste “up-grade” foram incluídas a mais recente geração de mapeamento do motor, mudanças estéticas e ciclísticas.
Mas, o que realmente significa a sigla “R” na Panigale? A nova versão vem equipada com tudo o que a Panigale S oferece, como controle de tração (DTC), ajuste eletrônico de suspensão (DES), sistema de freios ABS e Ride-by-Wire (acelerador eletrônico), e alguns outros “mimos”. Como novidade, o chassi monocoque recebeu um novo braço oscilante com pivô ajustável em quatro posições. Assim, a medida entre-eixos pode variar em até 6 mm, o que permitirá um ajuste perfeito entre homem, máquina e traçado da pista. Para perder peso o motor recebeu peças mais leves como, por exemplo, o novo virabrequim e bielas de titânio.
Mais Letrinhas
A marca introduziu na versão “R” o DQS (Ducati Quick Shifter), que auxilia nas trocas de marcha rápidas e sem a necessidade do acionamento da embreagem. Já o EBC (Engine Brake Control) foi criado pela Ducati Corse para auxiliar os pilotos a otimizar a estabilidade do veículo na entrada e saída de curvas em competições.
Tais informações são gerenciadas e exibidas no painel de instrumentos com tecnologia TFT (Thin Film Transitor). Esse sistema nada mais é que um computador de bordo de fácil visualização, que conta com a mais nova versão do Ducati Data Analyser (DDA+). Traduzindo: telemetria on-board. 
A nova versão da superesportiva da Ducati ganhou alguns retoques estéticos e diversos componentes de fibra de carbono que a diferem de suas irmãs. A Panigale R vem “vestida” em vermelho, com algumas listras brancas inspiradas nas motos de competição e uma mistura de vermelho com alumínio escovado no tanque de combustível. As carenagens laterais carregam ainda a nomenclatura Ducati Corse em branco.
Motor

Assim como as outras versões, a Panigale R carrega o motor Superquadro, um bicilíndrico em “L” de 1.198 cm³, com arrefecimento líquido, oito válvulas e comando desmodrômico no cabeçote. Neste caso específico, os engenheiros da Ducati conseguiram reduzir 1,3 kg o peso do propulsor e afirmam que o motor da “R” é 15% mais “forte” em médios giros se comparado às outras versões da família Superbike. Essas modificações permitiram a ampliação da rotação máxima para 12.000 rpm, 500 rpm a mais que os outros modelos da família. O limite maior também tornou possível o uso de uma coroa de 41 dentes (são 39 na versão Standard e S), o que aumenta a capacidade de aceleração e retomada da moto.
Assim, o motor da nova superesportiva da Ducati gera 195 cavalos de potência máxima a 10.750 rpm e torque máximo de 13,5 kgf.m a 9.000 rpm. Pesando apenas 165 quilos, a versão Panigale R oferece uma excepcional relação peso-potência.
Para garantir alto desempenho e segurança na medida certa, a 1199 Panigale R conta com três tipos mapeamento do motor: “Race”, “Sport” e “Wet”. O modo “Race” é o indicado para as pistas, como o nome já diz. Assim, o piloto terá disponível todos os 195 cv, com a resposta instantânea do acelerador eletrônico. A intervenção do controle de tração (DTC) é menor e o ABS atua apenas na roda dianteira, sem deixar que a traseira “levante” em frenagens mais vigorosas. Ao escolher o modo “Sport”, o piloto também terá disponível os 195 cv, mas, a entrega feita pelo acelerador é mais suave e o DTC é um pouco mais atuante. As suspensões ficam com uma configuração mais adequada às ruas, assim como o EBC e o ABS atuam em ambas as rodas. Já no modo “Wet”, indicado para rodar em piso molhado, “apenas” 120 cv estarão disponíveis. O acelerador eletrônico entrega potência de maneira ainda mais suave e o controle de tração será ainda mais atuante. Além disso, o “set-up” das suspensões é voltado para um piso com baixa aderência. Neste modo, o DQS (Ducati Quick Shift) é desligado e o ABS ficará disponível no nível máximo de funcionamento.

                     Agradecimento ao proprietário desta obra de arte pelo convite,muito obrigado.

































quarta-feira, 12 de março de 2014

Lamborghini Gallardo Superleggera

Um dos melhores momentos da vida com certeza foi o dia em que pilotei a Superleggera,sem palavras para tal emoção que sentir naquele dia e pra ficar ainda melhor estavam presentes o Porsche Cayman S (981),Ford Maverick 302 V8 e a Yamaha XJ6 N agradeço á todos os proprietários pela presença.

Nessa postagem não falarei mecânica dos mesmos e sim agradecer por certos objetivos alcançados pelo blog.O primeiro agradecimento deixo para o grande Deus por sempre permite que meus sonhos se realizem,ao proprietário da Lamborghini pela oportunidade única de pilotar o seu bólido, também ao proprietário do Porsche Cayman S (981) por ter se oferecido para comparecer no passeio e aos demais proprietários que também estavam ali, nem em um milhão de anos poderei recompensar todos á vocês pela força.

Não posso esquecer também dos leitores que sempre acessam o blog,aos colaboradores e amigos que acreditaram na ideia do Carros De Luxo SLZ e agora já estamos colhendo bons frutos graças ao bom trabalho feito por mim (Rogio Santos),com muito amor e perseverança.

                  E pra finalizar dedico essas fotos á todos vocês amigos que citei nos textos á cima.